quarta-feira, 15 de abril de 2020

Após Maranhão se tornar o sétimo em mortes por coronavírus, governo autoriza uso de cloroquina




O Comitê Cientíco de Prevenção e Combate ao Coronavírus no Maranhão, criado para
auxiliar o Governo na tomada de decisões sobre as ações de enfrentamento à Covid-19,
publicou um protocolo que trata sobre o uso da cloroquina e hidroxicloroquina em
pacientes hospitalizados por complicações relacionadas à infecção. 

O medicamento está sendo usado em pacientes da rede pública de saúde que apresentam complicações por conta do agravamento da doença, de acordo com a avaliação individual do caso.

O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), já adquiriu as doses da cloroquina/hidroxicloroquina para tratamento dos pacientes internados na rede
estadual. 

“Todas as medidas visam resguardar a vida dos pacientes hospitalizados por
conta novo coronavírus. Por isso, adotamos este protocolo de atendimento e adquirimos
doses para utilizar a cloroquina/hidroxicloroquina na rede pública de saúde. Sabemos que o uso do medicamento não é garantia de cura, mas com o devido acompanhamento médico os pacientes podem apresentar melhora no quadro clínico”,  disse o secretário Carlos Lula.

O documento foi elaborado por uma equipe de infectologistas, coordenada pela médica
Conceição Pedroso.  Segundo a infectologista e integrante do Comitê Científico de
Prevenção e Combate ao Coronavírus no Maranhão, é importante ressaltar que o
medicamento é apenas de uso hospitalar

“A dose utilizada da cloroquina hidroxicloroquina no tratamento contra a Covid-19 não é a habitual e é associada a um outro medicamento, que juntos, podem trazer repercussões de alterações cardiológicas. Por isso, o uso só pode ser feito com recomendações médicas e
acompanhamento hospitalar”, alerta Conceição Pedroso.

O Ministério da Saúde recentemente enviou aos estados uma Nota Técnica, cujo protocolo
prevê cinco dias de tratamento e é indicado apenas para pacientes hospitalizados. 

De acordo com a nota técnica, o uso da cloroquina/hidroxicloroquina pode funcionar como complemento a outros suportes utilizados no tratamento dos pacientes, como assistência ventilatória e medicações para os sintomas, como febre e mal-estar, porém, ambos os medicamentos não são indicados para prevenção da doença ou tratamento de casos leves. 

O Comitê Cientíco de Prevenção e Combate ao Coronavírus no Maranhão é formado pelos médicos Marcos Pacheco, Rodrigo Lopes, Giselle Boumman, Conceição Pedroso e Edilson Medeiros. O comitê é coordenado pelo secretário de Saúde, arlos Lula, e pela subsecretária Karla Trindade.

Fonte: Secap
essa materia:    Facebook  Twitter  Google+

5 comentários:

Unknown disse...

Secretário de saúde de Flávio Dino, além de ser ADVOGADO, não tem experiência na área da saúde, ocupa o cargo há menos de três anos, não tem formação teórica, nenhum trabalho científico publicado e, mesmo assim, comanda força contra Coronavírus no Estado? O Governo comunista que se diz preocupado com a vida, piada pronta, mostra sua incompetencia começando por ai...

Anônimo disse...

Esse desgovernador deveria ser penalizado por esta loucura q fez sujeitando a população a danos gravíssimos enquanto os medicamentos tds estocados e sem servir à população para salvar vidas....pura canalhice!!

hllacerda3 disse...

O Governo não adquiriu, recebeu a medicação do Governo Federal!

hllacerda3 disse...

O Governo do Estado do Maranhão não adquiriu, ele recebeu a medicação do Governo Federal (Ministério da Saúde).

Unknown disse...

SemprSempre soube que o uso deste medicamento é decisão médica e vários amigos médicos da rede pública sempre me disseram que ela sempre foi utilizada, quando necessária. Muito estranha essa conversa