sexta-feira, 12 de julho de 2019

Investigação do caso Marielle liga Escritório do Crime à família Brazão no RJ




Membros da milícia Escritório do Crime ligaram para políticos da família Brazão, do Rio de Janeiro, para tentar evitar pagamento de propina a 1 funcionário da Prefeitura da cidade. Foi o que revelaram ligações interceptadas feitas na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol). Segundo o portal UOL, essa foi a 1ª prova factual de suposta ligação da milícia com 1 clã político carioca e 1 grupo parlamentar.

Marielle e seu motorista Anderson Gomes foram assassinados a tiros em 14 de março de 2018.

Escritório do Crime é uma facção criminosa responsável por assassinatos de aluguel, agiotagem, serviços de segurança, venda de gás e de TV a cabo ilegais, além de construção de prédios irregulares. O grupo domina bairros da zona oeste do Rio.

  • Já a família Brazão é formada por políticos cariocas que, ainda de acordo com o Uol, têm base eleitoral em bairros dominados por milícias. O líder do grupo político é o ex-deputado e conselheiro afastado do TCE-RJ (Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro), Domingos Brazão. Ele é suspeito de ser mandante da morte de Marielle, mas sua defesa nega envolvimento com o caso.

Ligações telefônicas


Documentos obtidos pelo Uol revelam 1 diálogo telefônico, feito no dia 19 de outubro de 2018, entre Fábio Campelo Lima, apontado como despachante da milícia, e Manoel Brito Batista, conhecido como “Cabelo”, outro membro do grupo criminoso. Fábio mantinha 1 esquema de pagamento de propinas a servidores públicos, em troca de benefícios aos negócios irregulares do Escritório do Crime.

Naquele dia, 1 funcionário da Prefeitura havia cobrado R$ 3.000 para a liberação de 1 alvará de uma empresa da milícia. Como achou o valor caro, ligou para Manoel para ver outra forma de conseguir o documento. Eis 1 trecho da conversa:

Fábio: “E o rapaz lá não deu a resposta, não, do Brazão?”

Manoel: “Não deu não e eu acabei esquecendo. Vou dar uma ligada pra ele aqui”

Fábio: “Se ele conseguir isso vai ser uma boa, não sei qual foi o acordo aí que você fez com ele”

Após a ligação,Manoel ligou para João Carlos Macedo da Silva, assessor parlamentar do deputado estadual Pedro Brazão na Assembleia Legislativa do Rio. Pedro é irmão de Domingos Brazão.

João Carlos: “Oi, Manoel”

Manoel: “Tem alguma notícia para seu amigo?”

João Carlos: “Não, não, não… ainda não… eu fui lá hoje, mas sexta-feira ele só apita [marca presença], sai para almoçar e não volta mais, segunda-feira eu tô lá com ele lá”

Manoel: “Segunda a gente vê então”

João Carlos: “Isso, é, pode ficar tranquilo, tá bom, meu amigo?”

No dia 22 de outubro de 2018, 3 dias depois desses diálogos, Manoel ligou para 1 gerente de sua loja de materiais de construção, cujo nome não foi citado na matéria.

Gerente: “Como é que ficou a situação lá do negócio do alvará?”

Manoel: “Cara, eu mandei soltar, paguei os R$ 3 mil, eu pelejei, levei pro Pedro, aquele amigo lá, o Pedro Brazão…”

Gerente: “Ham, ham”

Manoel: “Aí me atendeu, ‘vou ver pra tu’, aí eu liguei agora três horas não me atendeu”

O nome de Pedro Brazão havia sido citado em conversa mais cedo entre Manoel e Fábio, em que Manoel autoriza o pagamento da propina de R$ 3.000 ao funcionário da Prefeitura.

O outro lado


A reportagem da Uol informou que tentou ouvir João Carlos e Pedro Brazão, mas eles não foram localizados nem atenderam as ligações. O advogado de Domingos Brazão foi contatado e reiterou inocência do seu cliente.

Manoel e Fábio foram presos na Operação Intocáveis como integrantes da milícia, mas alegam inocência.


Fonte: ESTADÃO
essa materia:    Facebook  Twitter  Google+

0 comentários: